Amigos seguidores

domingo, junho 03, 2012

Ela não teria morrido na queda do avião!

Earhart e Noonan ao lado do Lockheed L10 Electra em
Darwin, Austrália, 28 de junho de 1937.
Para alguns está resolvido o mistério do desaparecimento de Amelia Mary Earhart, nascida em Atchison, Kansas, no dia 24 de Julho de 1897 e desaparecida em 2 de Julho de 1937. Ela foi pioneira na aviação dos Estados Unidos, autora e uma das mais marcantes defensoras dos direitos das mulheres. Earhart foi a primeira mulher a receber a "The Distinguished Flying Cross", condecoração dada por ter sido a primeira mulher a voar sozinha sobre o oceano Atlântico. Estabeleceu diversos outros recordes, escreveu livros sobre suas experiências de voo, e foi essencial na formação de organizações para mulheres que desejavam pilotar. Amelia desapareceu no oceano Pacífico, perto da Ilha Howland enquanto tentava realizar um voo ao redor do globo em 1937. Foi declarada morta no dia 5 de janeiro de 1939. Seu modo de vida, sua carreira e o modo como desapareceu até hoje fascinam as pessoas.

OS FATOS
Pois nessa última semana, todos nós prendemos a respiração na quarta-feira quando um pote de creme anti-sardas, bastante envelhecido, foi descoberto na Ilha Nikumaroro, no Oceano Pacífico. O fato parece apoiar a teoria defendida pelo Grupo Internacional para Recuperação de Aviões Históricos (TIGHAR), de que Amelia Earhart pousou em um atol de coral perto da ilha, e sobreviveu - pelo menos por algum tempo. Ontem surgiram novas provas, tornando a conclusão "de que Amelia Earhart viveu como náufraga por um tempo indeterminado" ainda mais provável. Usando o combustível restante no avião ela e Noonan teriam acionado os motores várias vezes para recarregar as baterias, e isso fez com que eles continuassem a emitir sinais de perigo através do rádio durante vários dias, até o bimotor da aviadora, um Lockheed Electra, ser varrido do recife por marés crescentes, muito comuns naquela região. Usando equipamentos não disponíveis em 1937, como sistemas de informação digitalizados de gestão, software de modelagem e antena de rádio de ondas programadas para análise de propagação, o TIGHAR concluiu que 57 dos 120 sinais de SOS relatados pelas autoridades na época, foram emitidos da Ilha Nikumaroro, e não do ar. 


OUTRAS EVIDÊNCIAS
As outras provas vieram em forma de artefatos. Não só o frasco de creme anti-sardas, algo que ela usava costumeiramente, mas também sinais de que Earhart e seu navegador Fred Noonan tentaram viver na ilha por tanto tempo quanto possível. Muitos dos artefatos foram encontrados por moradores locais anos atrás, mas sem os resultados mais recentes do TIGHAR, era impossível concluir que pertenciam a Earhart e Noonan. Esses itens incluem ferramentas, talheres e restos de peixes, aves, moluscos e uma tartaruga. Também: ossos e cocô seco que poderiam ser humanos. Com esta pesquisa, o mistério do desaparecimento de Earhart parece ter sido resolvido, com a conclusão de que ela e o navegador talvez tenham sobrevivido à queda do avião e permanecido por alguns anos no arquipélago, que na ocasião era totalmente inabitado. De qualquer maneira, alguns mistérios permanecem e só novas pesquisas poderão trazer à tona a verdade. 

4 comentários:

Berto Garcia disse...

Muy interesante siempre recordar estas cosas para que no se olviden y las conoscan las nuevas generaciones

Milton disse...

Olá Beto.
Obrigado pela participação!

Marina Linhares disse...

Você é o cara!
Um tema envolvente, dramático e que prende quem está lendo.
Ótimo assunto de hoje. Gostei.
Bjs.

Evanir disse...

Seu blog é maravilhoso uma postagem
com diversos temas fiquei enantada .
Os assuntos são diferentes em cada postagem.
Fiquei encantada com a cachoeira com uma cortina deslumbrante .
Desejo uma feliz semana seguindo você com muito carinho.
Evanir.

Compartilhe:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Posts Recentes