Amigos seguidores

sábado, março 30, 2013

Os Finalistas do Prêmio de Retratos Boochever Outwin

A Galeria Nacional de Retratos em Washington, está apresentando os finalistas da Competição de Retratos Boochever Outwin. Eu costumo dizer que o retrato, seja em fotografia ou em qualquer outra expressão da arte, é a essência da alma do retratado. Do arroz ao glitter, do vídeo a tinta, essas obras refletem o melhor do retrato contemporâneo que existe hoje nos EUA. Vejam aqui alguns dos 48 retratos pré selecionados na galeria.
Um auto retrato da artista plástica Martha Mayer Erlebacher após ter passado por uma segunda rodada de quimioterapia.

Elisabeth, por Veronika Adaskova. A fotógrafa Veronika Adaskova documentou as histórias de vida dos alemães dos Sudetos, na República Checa, que foram perseguidos pelos nazistas na Segunda Guerra Mundial. Ela tirou este retrato em Brooklyn, Nova Iorque, em 2011.


Herança, por Bo Bartlett. Um retrato inflexível dos pais do artista, que fala em decepção e sofrimento.


Depois de sofrer um pequeno derrame em 2009, a artista Leslie Adams diz que se sentiu obrigada a responder à pergunta, "O que sou eu?"


Auto-retrato, por Sequoyah Aono. "Eu fui esculpindo auto-retratos, um por um, para confirmar a minha existência", escreve Aono na declaração poética do artista sobre a peça.


Menina em uma loja de departamentos, por Morgan Brown. Nesta formalidade o retrato é uma metáfora para a estrutura da alma.



Oliver, 20, por Laura Chasman. Oliver se tornou o assunto da pintura de sua mãe. Ela conquistou sua semelhança em todos os anos de sua vida, inclusive quando ele tinha 20 anos.


Lillian, Igreja Nova Aliança de Libertação, Chicago, 2011, por Paul D'Amato. Por suas fotografias D'Amato se aproxima de estranhos e pede sua permissão para tirar um retrato. Juntos, eles escolhem o local.


Desejos e Sonhos  & Champanhe e Caviar, por Sean Cheetham. Um auto retrato do artista após uma partida de hóquei que deixou ferimentos na face.


Mike, por Willard Dixon. Mike Henderson, é um músico de blues da região da Baía de New Orleans.


Um retrato de Marie, esposa do artista Ray DiCapua. 


Pensão Completa, por Tim Doud. Tim Doud explora as maneiras que a identidade é fabricada e torna-se um ato de apresentação, especialmente em relação à sua profissão.


Para Delia, por Heidi Fancher. Com base na sua própria pesquisa nas fundações de racismo, Heidi posou como uma escrava chamada Delia, que foi objeto de uma fotografia tirada 162 anos antes, em um esforço para restaurar a humanidade para ela em 2010.


A Filha do General, por Carole Feuerman. Esta escultura capta o momento especial, quando a filha do general, Syntonia, passou de jovem para jovem adulto.


Aki, por Rieko Fujinami. Um retrato do dilema que captura, tanto da face visível de uma determinada pessoa, até os aspectos invisíveis da emoção, do inconsciente e da memória.


A saudação do soldado, por Jason Hanasik. O artista vê a saudação militar, capturada aqui em um retrato, como o equivalente masculino da bailarina eternamente girando em uma caixa de jóia.


Retrato (manto vermelho), por Anne Harris. Desinteressada à semelhança das pessoas, a artista concentrou-se na sensação de individualidade e de luta, com o simbolismo do manto vermelho emprestado de uma história predominantemente masculina.


John H, por Erik Hougen. Um retrato do pai do artista. "Eu tive uma vida boa, abençoada com casamento maravilhoso, e as crianças grandes. Mas não houve dor, como na vida de meu pai, incluindo as mortes de dois irmãos mais jovens. Este retrato me mostra como as coisas não podem ser escondidos, e a vida está escrita em seu rosto."


David e Anita visitam Daina, por Edgar Jerins. Um retrato de primos do artista que vivem em um constante estado de disfunção familiar.


Tio Fred em Santa Monica, por Bridget Lanigan. Bridget Lanigan descreve seu tio como "um personagem, em todos os sentidos da palavra."


Brooklyn, o artista novaiorquino David Kassan pintou este retrato de sua mãe Roberta em 2010.


A Jangada Viva, por Katie O'Hagan. Katie O'Hagan diz que este auto-retrato serviu como um ponto de viragem na sua arte em 2011, quando ela se mudou de retrato convencional para algo mais pessoal.


Depressão, por Beverly McIver. Quando Beverly McIver perdeu a mãe em 2004, ela teve que cuidar de sua irmã Renee, com deficiência mental. Sentindo-se oprimida e deprimida, ela pintou este auto-retrato para capturar suas emoções.


Louie Palu capturou este momento em 2010, com um soldado ferido em um helicóptero pronto para evacuação médica após uma incursão na noite do Distrito de Zhari, Kandahar, Afeganistão.


Leslie, por Caitlin Teal Price. Como parte de uma série maior intitulada Annabelle, a artista usa encontros com estranhos para fotografar histórias maiores, que provocam a vida e a morte, poder e vulnerabilidade, magnificência e incerteza.


Legado: O Retrato de Val, por Catherine Prescott. De pé na casa que herdou quando seu pai morreu, Valerie é mostrada por sua amiga Catherine Prescott.


Maryanna por Bly Pope. Este retrato hiper-realista da avó do artista é, na verdade, um desenho de grafite e tinta feita em 2011.


Frances,103, por Carolyn Scham. Carolyn Scham caracteriza Frances como uma mulher renascentista no verdadeiro caminho.


Duas Famílias em Kirkjubaejarklauster, Islândia, por Michael A. Smith. Quando o artista se deparou com essas duas famílias na Islândia, ficou impressionado com a perfeição de seu arranjo, que para ele quase que imita uma pintura do século 19.


Michael, 67, (Pastor Shelby), por Neil Shigley. O retratado é um morador de rua que vive próximo ao estúdio de Neil em San Diego. Ele é um especialista em retratar moradores de rua.


Pedreiro, por Philip Burton Silverman. Este retrato foi feito em admiração a um pedreiro, amigo do artista, e para homenagear os talentos comuns que a nossa cultura esquece.


Kevin, por Keliy Anderson-Staley. Kevin é de uma série de retratos feitos através de fotos do século 19. Composto de milhares de retratos, o projeto é uma representação diversificada dos americanos.


O Nascimento de Inez Imake, por Ginny Stanford. Inez Imake é uma pintora que só existe em sonhos da artista. Então, movida por este personagem fictício e suas pinturas, a artista decidiu pintar seu retrato.


Cathy, Market Street, Paterson, JN, por Tema Stauffer. A partir de uma série de retratos de rua que servem como um registro de uma população diversificada de americanos cujas lutas e dificuldades são faladas em seus rostos.


Indefinido, por Tun Ping Wang. Usando pastel sobre papel, o artista cria uma semelhança "artesanal" diante de seus olhos com traços específicos, realistas e pontos.


Normalmente em movimento, a drag performer Lily aparece projetada em uma tela de brilho, como parte de uma série do artista Jill Wissmiller.


Um fio único e contínuo forma o rosto sereno da sobrinha Mana, do artista Kumi Yamashita.

3 comentários:

Silvana Haddad disse...

Milton:
A que eu mais gostei, foi a segunda.
Cada qual tem um estilo e passa uma sensação diferente.
Mas todas são verdadeiras obras de arte.
Bjs.:
Sil
http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

Milton disse...

Pois então Silvana!
Também gostei muito da segunda. E como você mesmo disse, os retratos impressionam porque passam uma sensação diferente. Talvez a essência da alma de cada um dos seus personagens.
Beijo grande!

Anônimo disse...

If you want a Premium Minecraft Account check out this generator.
With it you can generate a unique Minecraft Premium Account which no one
else has! You can Download the Free Premium Minecraft Account Generator http:
//www.minecraftdownload2013.tk

Ahaa, its fastidious dialogue on the topic of this post at this place at this webpage,
I have read all that, so now me also commenting at this place.

Compartilhe:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Posts Recentes