Amigos seguidores

domingo, maio 29, 2011

Os 6 vídeos mais controversos da história da música

Desde a década de 80 os artistas pop tem buscado levar suas músicas ao sucesso através de vídeos. Os chamados "clipes" tem tido ao longo destes últimos anos uma importância fundamental nessa caminhada, mas também tem provocado polêmica. Muita polêmica. No caso deste post, por exemplo, os clipes em questão, embora aparentemente feitos para vender as músicas e promover os álbuns, foram seis obras de arte cinematográfica que para muitos ultrapassaram os limites da arte e bom gosto por serem provocativos, sugestivos, ousados e perturbadores. Com a liberação dos costumes acharíamos estes vídeos hoje apenas curiosos, mas quando eles foram lançados, alguns achavam que tinham ido longe demais. Por isso se transformaram em controversos.

Pearl Jam, "Jeremy" (1991)
O vídeo conta a história de um solitário adolescente que é ignorada pelos pais e colegas. No final do vídeo, podemos vê-lo parado em frente de sua classe com um revólver e, depois vemos a classe numa cena de horror com vários alunos respingados de sangue. Muitos espectadores pensaram que Jeremy tivesse matado seus colegas. Não foi assim. A canção foi baseada em um incidente da vida real no Texas, em que um estudante atirou-se na frente de seus colegas numa aula de Inglês. Na obra de Pearl Jam, entretanto, o final foi ambíguo porque os padrões da época não permitiriam um vídeo em que um menor de idade cometesse suicídio por arma. A canção foi um grande sucesso, o vídeo foi um clássico instantâneo e do álbum Ten tornou-se best-seller. No entanto, em 1996, um estudante do ensino médio de uma escola americana baleou quatro colegas e disse que tinha sido influenciado pelo vídeo. A partir de 1999, com a história de Columbine e outros incidentes de violência nas escolas , o vídeo foi retirado da MTV e VH1. Hoje em dia, raramente é exibido.


MIA, "Born Free" (2010)

Em intermináveis nove minutos o vídeo "Born Free" é uma alegoria política contra o genocídio e a limpeza étnica que caracteriza a violência explícita, sexo e uso de drogas hardcore. Ele faz alusão ao Exército Republicano Irlandês, a Intifada Palestina e a Milícia Tigres Tamil do Sri Lanka. Os críticos o acharam  chocante demais, e traçaram paralelos entre ele e assuntos atuais do mundo como "batalha da imigração nos Estados Unidos, o bombardeio de Gaza, e ao tratamento dos detidos de terrorismo no Iraque". Alguns telespectadores ficaram chocados e transtornados com a imagens gráficas de guerra, mas em entrevistas, MIA expressou surpresa que as pessoas estivessem mais chateadas com a violência simulada do vídeo do que com a violência real do mundo. 


Madonna, "What It Feels Like para a Girl" (2001)
Um clipe feminista com uma fantasia de vingança de Madonna, em que ela rouba um carro, pega uma mulher idosa num asilo, participa de uma série de crimes e, eventualmente comete suicídio, foi concebido para refletir a injustiça às mulheres com a opressão de todos os dias. A canção descreve as mulheres sendo pressionadas a serem agradáveis, bonitas e femininas, enquanto o vídeo mostra mulheres agindo de maneira totalmente diferente. O vídeo foi banido da MTV, exceto para transmissões de fim de noite, mas muitas mulheres observaram que o vídeo e a violência não eram nada mais explícito que as imagens vistas na televisão e no cinema. 


The Prodigy, "Smack My Bitch Up" (1997)

Contado na perspectiva da primeira pessoa, o vídeo mostra o protagonista cheirando cocaína, bebendo álcool, tateando as mulheres em uma boate, vômitando em uma pia, entrando em brigas, pegando uma stripper, dirigindo embriagado, e depois tendo relações sexuais com o stripper (a versão não editada também apresenta o consumo de heroína. Em uma reviravolta, a cena final do vídeo revelou que o protagonista era realmente uma mulher. Os grupos de mulheres protestaram contra o vídeo, alegando que ela glorificava a violência misógina. Outros aplaudiram o vídeo por mostrar que as mulheres poderiam ser abusadoras também. Mas, além da violência, o vídeo foi grosseiro e cheio de nudez, o que foi suficiente para ser banido da MTV. Parcialmente apoiado pela notoriedade do vídeo, "Smack My Bitch Up" tornou-se o maior hit The Prodigy em todo o mundo.

Duran Duran, "Girls on Film (1981)
Filmado semanas antes de ser lançado na MTV, o clipe de "Girls on Film" em 1981 foi o primeiro a ser criticado por ser demasiadamente erótico. (Para ser justo, a versão não editada fez recurso de nudez frontal completa.) Confrontado com vídeos explícitos de hoje ele não passa de um simples tempero, apresentando apenas sugestivos pole dancing e massagens. Mas na época, foi assunto de uma polêmica enorme, que os membros do Duran Duran usaram para reforçar a sua reputação como artistas de vanguarda.


Madonna, "Like a Prayer" (1989)
Se Madonna quis incendiar um escândalo, fazendo um vídeo onde faz sexo com Jesus Negro e, em seguida, dança em frente de um campo de crucifixos, conseguiu. Grupos religiosos criticaram o vídeo como sendo anti-católico, embora o vídeo tenha contado uma história que foi muito positiva em direção a Deus e à igreja. O vídeo é agora reconhecido como um dos momentos mais inovadores da música, e marcou uma viragem na carreira de Madonna. Na época, porém, a indignação foi tão grave que Madonna perdeu um contrato de US $ 5 milhões com a Pepsi. 

No final, não nos lembramos dos vídeos que são seguros, mansos e esperados. Lembramo-nos dos ultrajantes. O fato de estarmos ainda a discutir, analisar e celebrar esses vídeos 30 anos depois, é prova de que a notoriedade é sempre melhor do que o anonimato.

Nenhum comentário:

Compartilhe:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Posts Recentes